Street Vendors in Jail for Luanda’s Good Looks
By Maka Angola - January 28, 2014

About 50 men, women and children spent the weekend locked up in the same police cell following an Angolan police operation targeted at the street vendors known as “zungeiras” in Luanda.

 

An officer at the Marçal police station in the capital told Maka Angola that “the police are following the orders of the governor of Luanda, Bento Bento”.

 

The official, whose name cannot be revealed, said that Bento Bento’s orders aim at stopping the vendors who walk the streets of Luanda selling their wares, “because they give the city a bad image”.

 

Ângela André, 39, was detained on Friday at Congolenses Market for having five cookies in her possession.

 

“I’d already finished selling and was going home with five cookies, when the fiscal officers from the provincial government chased me. I dropped the cookies and was detained with nothing,” said Ms André, mother of four children.

 

“Even people who were just shopping were arrested by the officers,” she added.

 

She was released on Monday afternoon after three days in detention.

 

Ângela André criticised the provincial governor’s policy of preventing the street vendors’ activities.

 

“This isn’t right. The government should find alternative markets for us to trade in. Instead, the police are telling us we must only sell in front of our own front doors or find another place,” she said.

 

“My husband is a security guard and earns 25,000 kwanzas (US$250) a month. I have to sell to help provide food and to get money for him to pay his transport fare to get to work. His salary is not enough.”

 

Another street vendor, Lúcia António, was detained by the provincial government’s fiscal officers around midday while she was selling clothes in Congolenses Market. “The officers divided up the clothes. They took away our business.”

 

Ms António said she was detained overnight.

 

“The police are photographing us, registering us and threatening us that if we are detained again we will be sent to Viana Prison and will be charged in court for the crime of disobedience,” she said.

 

Fátima Luciano, 42, spent three days in prison after she was detained for selling vegetables near São Paulo market.

 

“They put almost 50 people in the same cell, with mothers breast feeding babies next to men. We were really cramped. Then the Marçal administrator came to calm us down and told us they would treat us well,” she said.

 

“God knows how I am going to support my eight children. My husband is unemployed. The government doesn’t support us, it just punishes us,” Ms Luciano said.

 

After the group detained on Friday were released, various other vendors and others who were merely suspected of selling on the streets were detained and held in the cell at Marçal police station.

 

According to police there, the “clean up the street vendors” operation will continue until other orders are given.

 

Ângela André’s husband, Vicente Ngola, testified that the campaign to arrest street traders was continuing: his sister, Serafina Vicente, was arrested on Sunday in Viana municipality.

 

“My sister was detained for selling yoghurt to survive,” Mr Ngola said, speaking after his wife was released.

 

Serafina Vicente remains in detention at the Bita police station in Viana.

 

Police breaking the law

 

Salvador Freire, chair of the human rights organisation Associação Mãos Livres expressed disgust at the arrests, and said the detention of men and women in the same cell was “an abominable act” by the police.

 

“The women are our mothers, sisters and daughters. The police have to have an attitude and concept of respect for women. Whoever gave this order should be held criminally responsible. That was an illegal act,” Mr Freire said.

 

He added that the police had acted illegally in detaining the street traders. “The vendors are not accused of committing a crime. Therefore, keeping them in prison and photographing [profiling] them are illegal acts,” he said.

 

According to Angola’s Penitentiary Law (Law no 8/08), “it is prohibited to keep together inmates of opposite sexes inside any prison establishment”.

 

Aside from the illegality of the act, a lawyer who preferred not to be identified said that keeping detainees of both sexes together was “an act of moral and psychological violence against women”.

 

“The principle of human dignity presupposes that there are limits with regard to women’s privacy,” the lawyer said.

 

The arrests and the profiling of street vendors continue.

Next Maka Previous Maka

18 Responses to “Street Vendors in Jail for Luanda’s Good Looks”

  1. DANIEL SAMBONGUE says:

    ORGANIZAÇÃO FINALMENTE HÁ QUE SE REFERE O TERMO?
    ORA O TERMO REFERE-SE TUDO NO SEU DEVIDO LUGAR. LOGO PEGAR ALGUEM Á EXERCER SUA ACTIVIDADE HONESTAMENTAMENTE MADAR PARA CADEIA, DISCULPEM SÓ UM BARBARO TEM ESTE JUIZO.
    AGENTE POLICIAL QUE CUMPRI TODA ORDEM DO HOMEM É INFELIZ, PORQUE DIZIA ALGUEM SABIO QUANTO EM VIDA CHAMAVA-SE TOMAS DE AQUINO DIZENDO ASSIM UMA LEI INJUSTA NUNCA SERÁ LEI.

  2. […] in these sorts of cases. And it didn't take long. The anti-corruption watchdog Maka Angola recently reported that nearly 50 women, children and men were detained, some for three days, in the same cell in a […]

  3. Andreia Costa says:

    HOJE BRAVEI…ESTOU CANSADA…VEJO COISAS QUE O MEU CORAÇÃO NÃO AGUENTA!!!…Merda para o policia e o fiscal que bate da zungueira com porretes e lhe faz subir no patrulheiro como se fosse a mais criminosa das criaturas… E não peço desculpas a ninguém… Não batam nas mulheres, até GRAVIDAS, que deixam tudo para tentar dar de comer crianças inocentes…Não batam!!! e.. Merda para quem manda bater…Esse país é de todos…Então encontrem uma saída, Xiçaaaaa! Façam um verdadeiro diagnostico, e indiquem locais que sirvam…e deixem o OGE engordar com os impostos que dali têm de vir… Encontrem uma solução e parem de matar e surrar as senhoras… SUJAM A CIDADE? SIM…É VERDADE. MAS PORQUE O PAÍS ESTÁ SUJO DE CORRUPÇÃO E FALTA DE AMOR E VONTADE! LIMPAM BATENDO? MANDANDO PARA CADEIA? RECEBENDO O POUCO QUE TÊM? Ja sabem que não funciona…inventam outra solução…estamos nisso a anos…e se calhar há porretes que ja bateram na mesma pessoa várias vezes…
    SEJAM COMPETENTES MEUS SENHORES, E PODEM CONTAR COM IDEIAS DE MUITO BOA GENTE…EU CONHEÇO ORGANIZAÇÕES PRONTAS PARA AJUDAR…POR FAVOR TENTEM OU DEMITAM-SE E VÃO A MERDA TODOS OS QUE JÁ BATERAM EM ZUNGUEIRAS! Uff desabafei…não posso continuar a chorar…e a fingir que é poesia…surra é surra meus senhores! E Angola é ou não um país próspero? Mas assim não chegaremos lá, nunca.

  4. Kimbombo says:

    Há que traçar políticas para promover as mulheres que andam pelas ruas à procura do jantar para os filhos.
    Ajudá-las a desenvolver seus talentos, dentro de uma incubadora e orientá-las até poderem ser largadas nos seus próprios negócios, já legalizadas.
    Prendê-las só vai criar descontentamento e consequentemente o prosseguimento de vários tipos de conflitos que se vão tornando cada vez mais inflamáveis. Precisamos de pôr fim aos abusos de poder! Vamos lá treinar nossas mentes na resolução dos problemas com a cabeça mais aberta e amor pelo próximo. C ada indivíduo é um filho de Deus e precisa de ser tratado como tal, independentemente dos erros cometidos. Pode-se educar sem reprimir…

  5. BernardodeaAngola says:

    Nada de ofensas aos juristas e ao governador. Nao esta a fazer nada de mal. Nós é que não sabemos usar da nossa liberdade. Quem é k disse que em qualquer lugar é para se vender , pode ser praça? Não é assim k se desenvolve o Pais. Assim não. Quem quer vender deve faze-lo de forma organizada em lugares próprios e nas horas certas. e pagar se necessário a contribuição fiscal. Quem é k não gosta das praças? Vamos nos organizar. E é só assim é usamos a nossa liberdade. Porra não é da forma como vemos as passadeiras, os passeios, as entradas das casas alheias ocupadas pk alguem entendeu vender, pk o marido é desempregado,tem 7 fllhos etc. Assim não dá. Vender sim( Alias é u direito de todos,) mas de forma organizada. Esta selvajaria k a todos envergonha não pode continuar. Temos k nos diferenciar destes malianos, senegaleses,n guineenses mauritanianos, que utilizam o nosso País, para as tranbiquices das cantinas e o resto. Nós somos outros. Se nos organizarmo-nos vamos ganhar todos.

  6. Zulu says:

    Que isso? Que absurdo meu Deus. Fico trista de ver tanta atrocidade contra irmãos.

  7. djdk says:

    a cidade tem q ser limpa pra melhorar a imagem ?? Augusto, so podes ser maluco, tás preocupado com a imagem quando as nossas mães tão a morrer a fome?? não consigo acreditar no q estou a ouvir. devias ter vergonha, se essas mulheres não trabalharem os seus filhoes vão morrer a fome porco assassino.

  8. Augusto says:

    Sim a policia fez muito bem.A cidade tem que ser limpa para melhor imagem.

    • Fatima Pires says:

      Na verdade o Governo parece estar a jogar a "sujeira" para debaixo do tapete como dizem aqui no Brasil, não é assim que se trabalha, junto com a policia vai uma assistente Social? Mulheres ganhando o seu ganha pão, mesmo que irregularmente, mas que apoio e orientação elas ou eles têm? Recebem Capacitação para que possam ter melhores empregos e ao mesmo tempo puderem cuidar de seus filhos? Agora com relação a ficarem numa mesma cela homens, mulheres, crianças isso não é correto, estão os Direitos Humanos?

  9. anonimo says:

    O direito dos homens e das mulheres ainda não chegou a Angola. Não cometeram nenhum crime mas sim uma transgressão,desde logo ninguem pode ser preso e torturado.

  10. Ngola João says:

    Meu Deus não sei se esse suposto governador de Luanda é mesmo um animal racional . Por favor digam só uma coisa ,tão a combater o pobre ou a pobreza ? Porque se tivessem a combater a pobreza não deveriam atacar as Mamã Zungueira mas sim criariam mecanismo de inserirem as n/ mamãs no mercado de Trabalho .Será que esse de tal Bento Bento não sabe q é ali onde elas tiram o dinheiro para poderem sustentar as suas famílias ? sem esse dinheiro (da zunga ) os seus filhos vão dormir a fome ? Isso até não é preciso ir numa universidade ou frequentar 1 ´pré Cabunga para saber disto .Como dizia o meu amigo Poeta Fridolim muito sinceramente esses governantes têm Fezes no lugar do Cérebro.

  11. wankana de oliveira says:

    alto ai o governador ou o presidente da comissao administrativa

  12. brunello alves says:

    Na verdade é um progecto muito bem pensado meus irmaos minhas irmaos é para o nosso bem e para bem do nosso pais uma progreçao temos que evoloir existe locais proprios para venda ambulante n é mesmo ai diante a vista do estrangeiro assim que chega vé automacticamente estou de acordo com isso vomos dar um passo em frente …

    • angola sem ladroes says:

      assassino, tu preferes matar os teus irmãos pra ter a cidade limpa, porco, egoista, vivem de aparencias, devias ter vergonha, por isso o nosso presidente tem todo o nosso dinheiro BRUNELLO ALVES

    • nationfighter says:

      tu tas no teu escritorio a relaxar com ar-condicionado a teclar num relax.
      não é q elas estao a vender nos lugar improprio é que os lugares onde estao a lhe mandar vender é longe.
      mesmo pra elas poder ter esse espaco tem q ter cunha. agora me diz como é que vao sobreviver.
      es um ignorante egoista.

    • Gerson says:

      Tu andas mais preocupado com o que o que estrangeiro vai ver do que com o que angolano vai sobreviver?? Kadie Tuji.

  13. Capiango says:

    Deus esta' ver isto tudo.

    E qual é o pronuncimento da Organizaçao da Mulher Angolana ligada ao MPLA? So saem na rua para repudiar e afirmar que manifestaçao é crime?

  14. Carlos João says:

    Consta que o Governador Bento Bento é Jurista! No mínimo é Jurista de KIMBUNDO!!!

Leave a Reply



Sondagem

O governo não reconhece juridicamente a Rádio Ecclesia, não permite a sua expansão, mas apoia-a financeiramente. Há censura na emissora católica. O caso revela:

View Results

Loading ... Loading ...
Partilhar Sondagem
© 2014 Maka Angola Todos os direitos reservados.
É expressamente proibida a reprodução de parte ou da totalidade dos conteúdos do Maka Angola, mediante qualquer forma ou meio, sem prévia e formal autorização.
Caso tenha interesse em reproduzir conteúdos do Maka Angola, envie uma mensagem a [email protected] a solicitar a devida autorização.