Os Ovos Podres do Presidente e a Culpa do MPLA
Por Rafael Marques de Morais - 18 de Abril, 2013

A recente afirmação de Isabel dos Santos, ao Financial Times, segundo a qual despertou para a vida empresarial aos seis anos, como vendedora de ovos, tornou-se já uma lenda popular.

Com o trabalho infantil da venda de ovos, Isabel dos Santos procurou justificar a origem da sua fortuna, que a alcandorou à lista dos bilionários e ao título da primeira mulher e a mais jovem bilionária Africana pela Forbes. A revista avaliou o património de Isabel dos Santos em dois biliões de dólares.

Em Angola, é conhecimento público que a riqueza de Isabel dos Santos se deve a actos de nepotismo, suborno e corrupção do seu pai, o presidente José Eduardo dos Santos, no poder há 33 anos.

O modelo de distribuição da negócios e da riqueza nacional pela sua família, há muitos anos que tem a assinatura formal do próprio presidente.

Já lá vão os anos de pudor presidencial! A 17 de Março de 2001, a primeira-dama Ana Paula dos Santos escreveu ao Secretário Executivo para a Venda de Imóveis, a solicitar o trespasse, a seu favor, de uma fracção de um edifício na Rua Kwame Nkrumah, no Bairro Alvalade. Fê-lo na qualidade de simples funcionária do Comité Miss Angola e usou o fax desta instituição, na realidade uma empreitada sua, para enviar o documento.

Com a vitória militar de Fevereiro de 2002, José Eduardo dos Santos passou a ser mais aberto no seu envolvimento pessoal em actos que desonram o cargo de presidente da República e demonstram total falta de respeito para com a sociedade angolana.

A 6 de Setembro de 2002, o jurista Valter Virgílio Rodrigues registou a empresa ZE Designs Importação e Exportação, Limitada, na qualidade de “mandatário de José Eduardo dos Santos, casado, natural e residente em Luanda, no Futungo de Belas, Presidência da República, representante legal do seu filho menor, José Eduardo Paulino dos Santos, de 17 anos de idade (…)”. A então conservadora Isabel Tormenta dos Santos, que procedeu ao registo desta empresa, assim como de mais de uma centena e meia pertencentes à família presidencial, assim como a Manuel Vicente e ao general Kopelipa, faz hoje parte do executivo de Dos Santos, com o título de Secretária de Estado da Justiça. É para guardar segredo.

José Paulino dos Santos “Coréon Dú”, outros dos filhos do presidente, começou a sua carreira empresarial pela mão do pai. Tendo atingido a maioridade, Coréon Dú usou o endereço do Palácio Presidencial, em 2006, como residência privada para criar a Semba Comunicação, juntamente com a irmã Tchizé dos Santos, que hoje gere o segundo canal da Televisão Púplica de Angola (TPA 2). A Semba Comunicação recebe mais de 40 milhões de dólares do orçamento da Presidência para a gestão da TPA 2 e outras supostas acções de melhoria da imagem presidencial.

Na época da ditadura marxista-leninista, Isabel dos Santos aprendeu com o socialismo esquemático da mãe azerbaijana, Tatiana Kukanova. A livre iniciativa económica, o capitalismo, era crime. O Dúdú-Faz-Tudo, como também é conhecido José Paulino dos Santos, aprendeu já com o capitalismo selvagem do pai.

Por sua vez, os três filhos do casamento de José Eduardo dos Santos com Ana Paula dos Santos – Eduane Danilo, Joseana e Eduardo Breno – tiveram também um início de carreira empresarial em nada lendária. A 11 de Julho de 2007, Ana Paula dos Santos criou, com a irmã Artemísia e os três filhos, a sociedade anónima Deana Day Spa. A empresa criou, com o mesmo nome, o Centro de Beleza e Estética, à Marginal de Luanda.

O centro tem a seguinte estrutura societária: Ana Paula Cristóvão de Lemos dos Santos (49 porcento), Artemísia Cristóvão de Lemos (25 porcento), Eduane Danilo Lemos dos Santos (15 porcento), Joseana Lemos dos Santos (7 porcento), e Eduardo Breno Lemos dos Santos (4 porcento). Certamente, não foi com o salário de funcionária do Miss Angola, nem como as ajudas de custo, como primeira-dama, que Ana Paula dos Santos obteve milhões de dólares para investir no Deana Day Spa. Foi o presidente a contribuir com o seu salário pela participação dos então filhos menores? Nunca ganhou formalmente o suficiente para amealhar milhões de dólares. A seu tempo, essas questões terão de ter respostas claras em foro judicial.

FilhosPresidenciais Os Ovos Podres do Presidente e a Culpa do MPLA

No sentido dos ponteiros do relógio, da esquerda para a direita: Isabel dos Santos, Zenú, Tchizé dos Santos e Coréon Dú.

A Distribuição da Riqueza Nacional

Aparentemente, o critério de distribuição de benefícios empresariais pelos filhos do presidente, obedece ao critério da idade. Os mais velhos levam mais. É com essa lógica que se apressou a ascensão de José Filomeno dos Santos “Zenú”, o segundo filho de Dos Santos. O ano passado, o pai concedeu-lhe 5 biliões de dólares, para gerir como bem lhe aprouver, na qualidade de administrador do Fundo Soberano de Angola. Zenú fica assim mais perto de realizar uma fortuna um pouco abaixo da fasquia da sua irmã Isabel.

Para os detentores de poder, ambos os modelos económicos e de iniciativa pessoal são apenas uma evolução no seu discurso ideológico. Mas para a maioria dos angolanos, a diferença está apenas no nome que se atribui ao seu sofrimento. Nos anos em que Isabel dos Santos vendia ovos, a minha mãe amargou uma semana de cadeia, acompanhada de duas filhas de tenra idade, por sabotagem económica. O crime? Com o açúcar adquirido na loja do povo, a minha mãe levou dois quilos à Praia Pequena, para permuta por peixe. As outras mães levavam cerveja, arroz e outros produtos, a única maneira possível de complementar o sustento familiar em tempo de economia planificada e de racionamentos marxistas. Durante o julgamento, o juiz perguntou à minha mãe: “A senhora não tem vergonha de vender açúcar?” Já nessa altura só os dirigentes e seus filhos tinham direito a vender ovos e, para além disso, a pilhar os bens do Estado, com total impunidade.

Hoje, os filhos dessas mães oprimidas e violentadas na sua luta pela sobrevivência básica são obrigados a um voto de silêncio. Enquanto isso, os mesmos detentores do poder roubam desalmadamente, pisoteiam a Constituição e as leis deste país. Arbitrariamente, os mesmos dirigentes, intimidam, processam, prendem e matam os filhos dessas mães que ousam denunciar ou protestar contra os seus atentados à dignidade humana e os seus crimes de lesa-pátria.

Esses dirigentes e os seus filhos têm uma grande virtude. Não têm consciência. Festejam, com requinte, o modo como desgraçam o povo angolano e saqueiam as riquezas do país. Dormem tranquilamente.

Tchizé dos Santos, outra das filhas presidenciais, já reclamou, e com razão, em nota recente ao Club-K, sobre a injustiça na distribuição de riquezas pelos filhos do presidente. A distribuição da riqueza nacional, ao nível da família presidencial, é iníqua. Tchizé tem duas grandes virtudes: é vocal e aberta. E o regime do pai deu à Tchizé e ao Coréon Dú a TPA 2. Logo, pode utilizar esse veículo para defender os interesses do povo angolano, sobre os quais demonstra um fio de preocupação, alguma consciência, e ganhar muito dinheiro à mesma. Contribuiria para o país e para dar outra imagem à família. Mostraria que nem todos os filhos do presidente se preocupam apenas com dinheiro, poder e fama. Daria capote à mana Isabel.

A Maquilhagem do Poder e a Culpa do MPLA

Em 1999 escrevi, no Baton da Ditadura, que JES é o principal promotor da corrupção em Angola. Fui bastante modesto. JES encarna o que há de pior na corrupção institucional, a total falta de vergonha e a arrogância compulsiva na realização e manutenção, à luz do dia, de actos ilegais, sobretudo os assaltos permanentes aos fundos públicos e bens do Estado.

No entanto, a culpa maior pela realidade actual de corrupção institucional, nepotismo e abuso de poder é da responsabilidade colectiva dos membros do Comité Central e do Bureau Político do MPLA. Estes são os principais vectores quer de legitimação do poder quer da mobilização de apoios para José Eduardo dos Santos, que também preside ao partido no poder há 33 anos. Os dirigentes do MPLA tornaram-se, para além de corruptos, em simples marionetas das habilidades políticas do seu presidente. Contentam-se com o que lhes cabe de riqueza ilícita e com a desgraça dos angolanos que um dia juraram defender e servir, como patriotas.

A maior batalha que os angolanos deverão travar, entre si, quando JES sair ou for forçado a abandonar o poder, será a desarticulação do sistema de corrupção institucional. É esse sistema que consagra o nepotismo e a delinquência desabrida na gestão do tesouro nacional e criou uma classe de novos-ricos assenhorados em novos-colonos. É esse sistema que destruiu e impede a instauração do princípio da competência, do conhecimento, da dedicação e da valorização dos recursos humanos na função pública. É esse sistema que transformou o conceito de patriotismo em cumplicidade e servilismo, em nome do MPLA, para com os que estão no poder a saquear o país. É esse o sistema que permite a JES culpar o colonialismo português pela sua própria incapacidade de gestão e manifestações de senilidade. É esse o sistema que festeja o luxo na miséria.

É preciso encontrar um novo rumo para a coexistência pacífica e a sã convivência política, sócio-cultural e económica entre os angolanos. Ao tempo do socialismo, a palavra de ordem era “ao inimigo nem um palmo da nossa terra”.

A maioria dos angolanos conserva um grande trunfo individual, o poder da consciência. É fundamental mobilizar esse poder. “À corrupção institucional nem um palmo da minha consciência” deve ser uma lanterna com que cada cidadão deve percorrer os escuros labirintos da função pública e da noção de poder político de JES, do Kopelipa e do MPLA.

Na soma desse poder individual, aqueles que prejudicam os interesses do povo acabarão por seguir e cumprir com o processo de moralização da sociedade, sem que haja lugar para mais conflitos ou mais sofrimento para a sociedade angolana.

Ver Próxima Maka Ver Maka Anterior

14 Responses to “Os Ovos Podres do Presidente e a Culpa do MPLA”

  1. Rigobeert says:

    A justiça chegará!

  2. Nelson says:

    Isso só prova que o maravilhoso irmão Rafael Marques é um dos poucos angolanos verdadeiramente patriota e um dia daria a um grande presidente em Angola porque ele sim tem amor ao seu povo e ao seu país. Que Deus te abençoe e te dê mais anos de vida porque Angola precisa e precisará muito de ti esse é o teu legado…

  3. chadokço says:

    desculpa mais aqui se fosse um país só a afirmação dessa mboua daria cadeia ao pai dela por fuga a paternidade ,antigos combatentes desfilam descontentes filhos e filhas de dirigentes desfilam contentes com o dinheiro roubado,seu crukss …..

  4. DECEPCIONADO says:

    È esta a vida que todos nos obrigam a viver, sem noção de PATRIOTISMO, sem definir um rumo comum, uma meta a atingir como um só povo cujo o objectivo é melhorar através do trabalho e recursos o modo de vida de cada um que constitui esta grande nação. Rafael tens razão quando mostras sem muito esforço, de que maneira somos nós governados, por políticos sem política, cargos de alta responsabilidade que requer cérebros, são ocupados por conviniência promovendo a incompetência e soberba por parte de pessoas que não percebem nada do que fazes, mas sentem-se no direito de mandar tudo e todos. É triste, estamos na Africa subsariana, vizinhos de países como a Namibia e Afica do SUL nossos vizinhos com recursos muito inferiores aos nossos mas com um nível de desenvolvimento económico e social virtualmente proporcional ao nosso, este governantes deviam ter vergonha, construiram centralidades, vários condomínios privados (com dinheiro ilícito), estádios para a realização do CAN, mas a cidade universitária que é um centro de formação de quadros e intelectuais que empurra qualquer país rumo ao desenvolvimento levou mais de 10 anos a ser construída com o agravante de terem começado as aulas sem mesmo a terminar, é humilhante, nem um único prédio na cidade universitária que poderia servir como centro de investigação, e office para os professores e investigadores (este último não existem em angola). Quando estes crápulas ficassem doente, o OCIDENTE deviam rejeita-los, mandando-os de volta ao seu pais de modo a fazerem o tratamento mesmo cá, para aprenderem o que é ter amor pela sua própria terra e contribuir para o desenvolvimento da tua própria sociedade bem como do teu próprio povo.

  5. joão paulo Antonio says:

    valeu bweee meu cota Rafael Marques

  6. BN ANTONIO says:

    SÃO GATUNOS

    • Bruno Antonio Diambu says:

      Esperamos que eles mudem forma de gouvernar o pais, pk falta muitas coisas que nos prometeram, e ainda não realizaram. eu Sou Bakongo do mbanza kongo, nos temos muita riqueza mas na minha provincia até hoje não tem nada, porque , se nós temos muito petroleo e muito mais, espero que mudem.bn diambu

  7. boaventura says:

    TENHO Q IR A RUSSIA SABER COMO SE FAZ PARA FICAR RICO

  8. Interesse Nacional says:

    O filho do ex-presidente do Senegal Karim Wade encontra-se nesse preciso momento na prisao, por incapacidade de justificar cerca de um bilhao de dolares de fortuna pessoal que amealhou durante os doze anos de mandato do seu pai.
    A sua unica irma desconhece-se o seu paradeiro residencial pois a justiça senegalesa também pretende saber a sua gestao calamitosa de fundos atribuidos ao Festival de Artes Negras sob sua gestao directa como presidente do comite de organizaçao.

  9. Lak says:

    Noticia boa logo de manha, boa pk? Pk acordamos e ficamos logo com raiva do pais que nascemos e do governo corrupto que temos. Ja que nós povo nao podemos fazer nada pk nao temos armas para tal, vamos esperar o castigo do nosso pai do ceu. Unico que conseguira por esses gajos todos no devido lugar.

  10. Bruno Mercury says:

    UAU, realmente de tudo que já pude ler, está foi a melhor publicação feita pelo Magnânimo senhor Jornalista RAFAEL MARQUES DE MORAIS. UAU, mas uma vez! Foi maravilhoso ler este texto que não deixa duvidas que Angola está no melhor caminho, quando se trata de defesa ao próprio angolano e aos seus direitos. Parabéns estamos contigo irmão e camarada!
    Obs.: Mas que pena que nem todo mundo pensa desta maneira em Angola. Tenho tanta pena daqueles que vivem no mar da corrupção e bajulação.

  11. Keeper says:

    Sem surpresa, mais um texto fantástico do Rafael. Parabéns!
    A sociedade angolana é uma panela de pressão no lume com o pipo entupido. Infelizmente, torna-se cada vez mais claro que isto vai acabar mal, e nessa altura a elite presidencial vai apanhar um avião para ir acabar os dias a disfrutar com o dinheiro amealhado dos "ovos", no estrangeiro.
    Para o povo angolano sera mais um invariante e triste episodio a acrescentar à nossa infeliz historia. Para quando a Independência?

  12. André says:

    Uma boa maneira de começar a pressão por mudanças é denunciar em altos e claros brados a cumplicidade do governo brasileiro e do partido no poder aqui, o PT, com o governo criminoso de JES e do MPLA. Poucos brasileiros estão conscientes dessa cumplicidade feita sob o disfarce de integração Sul – Sul. E como uma parte significativa do dinheiro roubado aí é gasto em apartamentos de luxo e negócios aqui, pode ao menos constranger o governo brasileiro a parar de apoiar incondicionalmente a cleptocracia do MPLA. E parar de mandar seus "especialistas" em marketing para ajudar a legitimar esse governo ilegítimo



Sondagem

O governo não reconhece juridicamente a Rádio Ecclesia, não permite a sua expansão, mas apoia-a financeiramente. Há censura na emissora católica. O caso revela:

View Results

Loading ... Loading ...
Partilhar Sondagem

A guerra sem fim no leste da República Democrática do Congo



A partir do leste do Congo, a FDLR, responsável pelo genocídio no país vizinho, continua a tentar atacar o Ruanda e a atormentar a população local congolesa. Para se defenderem, as aldeias congolesas formam milícias.

Ler Mais →

Mais cinco dólares anuais por pessoa podiam salvar 187 milhões



Este pequeno investimento, até 2035, seria suficiente para os Estados mais pobres reduzirem a mortalidade. Uma maior aposta também na educação seria a alavanca para o crescimento económico, segundo a OMS.

Ler Mais →

CPLP lança campanha de combate à fome



Cerca de 28 milhões de pessoas sofrem de desnutrição no espaço lusófono. Para dar resposta ao problema, a CPLP lançou uma iniciativa internacional e pretende angariar até ao final de ano seis milhões de euros.

Ler Mais →

© 2014 Maka Angola Todos os direitos reservados.
É expressamente proibida a reprodução de parte ou da totalidade dos conteúdos do Maka Angola, mediante qualquer forma ou meio, sem prévia e formal autorização.
Caso tenha interesse em reproduzir conteúdos do Maka Angola, envie uma mensagem a info@makaangola.org a solicitar a devida autorização.