SINSE Prepara Cilada Contra Padre Wakussanga
Por Maka Angola - 16 de Julho, 2012

Por António Capalandanda

Os Serviços de Inteligência e Segurança de Estado (SINSE) receberam instruções para, em breve, apresentarem publicamente quatro rapazes como sendo filhos abandonados do conhecido padre Jacinto Pio Wakussanga, que exerce o sacerdócio na Arquidiocese do Lubango, a fim de o desacreditar junto das comunidades locais e a nível internacional.

Segundo fonte do Maka Angola, a operação , em curso, envolve também a publicação de uma lista de sacerdotes críticos ao regime, criando um quadro de calúnias em vésperas de eleições, com o propósito de reduzir a influência destes presbíteros junto do eleitorado.

A fonte revelou que o nome do padre Pio Wacussanga aparece como primeiro da lista e lhe foram atribuídos quatro filhos ilegítimos.

A directiva, saída de Luanda, contempla o envolvimento da Direcção Provincial da Assistência e Reinserção Social da Huíla, encarregue de organizar a ida de supostos familiares das crianças àquela instituição, pedindo ajuda para sustento dos petizes.

O plano, de acordo com a fonte, consiste em recrutar dois indivíduos que se irão apresentar como tios das crianças e irão fazer declarações públicas a alguns jornais privados e à imprensa Estatal, proferindo acusações contra o padre Pio Wakussanga.

Uma outra fonte do Maka Angola informou que, nas últimas duas semanas, Catarina Manuel, directora da Assistência e Reinserção Social da Huíla, foi vista a contactar pessoas ligadas à Igreja, sobretudo às paróquias locais, questionando-as sobre a vida do padre Pio Wakussanga. Aquela dirigente goza de simpatia no seio da comunidade católica local por ter sido freira da comunidade das Escravas da Eucaristia.
As províncias de Benguela, Huambo, Huíla, Bié e Kwanza Sul foram descritas por Luanda como críticas, tendo sido identificados inicialmente oito sacerdotes como inimigos do regime, disse a fonte a este portal.

Revelou ainda que missionários diocesanos estrangeiros de Luanda, Cabinda, Uíge, Saurimo e Cunene também figuram na lista. O SINSE, de acordo com a fonte, manifestou a sua preocupação sobre o modo como as posições públicas destes sacerdotes possam a influenciar o eleitorado.

O padre Pio Wakussanga é presidente da Associação Construíndo Comunidades (ACC), uma organização cívica local engajada na denúncia dos direitos humanos na província da Huíla, sobretudo os desalojamentos forçados.

A Resolução 37/09, adoptada pela Assembleia Nacional em 2009, estabeleceu, entre outras condições, que “as demolições, quer em Luanda, quer em qualquer outra cidade, vila ou aldeia do País, quando necessárias, devem ser conjugadas com a criação de condições mínimas e aceitáveis para o realojamento dos cidadãos afectados e com o diálogo e envolvimento dos mesmos nas soluções de alojamento.”

O ex-primeiro-ministro de Angola, Marcolino Moco, revelou recentemente, em conferência de imprensa, que apesar desta resolução, mais de 2000 famílias foram desalojadas no Lubango, em Março de 2010. O advogado informou também sobre o emprego abusivo de forças policiais contra os populares e a falta de preparação de condições dignas de realojamento. A situação obrigou à deslocação de uma Comissão Parlamentar ao Lubango para apuramento dos factos.

A 4 de Abril de 2010, o ministro da Administração do Território, Bornito de Sousa, em nome do Presidente da República, pediu desculpas às vítimas pela forma como o governo local desalojou as vítimas e procedeu com asdemolições, no Lubango. O ministro deu garantias públicas que tais acções não voltariam a acontecer.

Em 2010, cerca de 1,300 famílias foram novamente desalojadas no município da Matala, sem a criação das condições previstas na Resolução 37/09 aprovada pela Assembleia Nacional. Depois de ter prometido que não iriam haver mais demolições, o Governador liderou uma nova onda de despejos, entre 12 de Maio e 12 de Junho de 2012, que atingiu acima de 250 famílias, enviadas à força para mais de 10 quilómetros de distância da cidade e dos seus serviços.

Segundo relatório da ACC, na localidade de Tchituno, lugar definido para o realojamento, não há condições mínimas de habitabilidade para as famílias desalojadas. A zona do suposto realojamento não é mais do que uma mata coberta de arbustos espinhosos e cobras, tendo sido fornecidos somente tijolos aos desalojados para a construção das suas próprias casas. Porque não receberam cimento ou qualquer outro material de construção, as famílias ficaram ao relento no Tchituno. As famílias estão entregues à sua sorte, sem qualquer apoio institucional, e têm de lutar pela sua sobrevivência.

“Os desalojamentos forçados, não tiveram em conta as pessoas doentes com tratamento ambulatório”, lê-se no documento. No local de realojamento, a ACC encontrou uma senhora de aproximadamente 60 anos de idade que sofreu uma trombose e encontra-se incapaz de dar sequência ao seu tratamento, no hospital central, devido à distância e falta de transporte.

O relatório dá eco ao clamor das famílias cujas casas não foram ainda destruídas. Estas apelam ao fim das demolições sem uma justa indemnização ou sem a atribuição de uma nova casa. Pedem ainda que o Governo seja responsabilizado pelos seus actos e más práticas, lembrando sempre os casos de demolições de Tchavola e Tchimukua, em Março e Setembro de 2010, cujos efeitos negativos continuam até hoje.

Para o efeito, a ACC liderou um acto ecuménico público de jejum e oração, realizado de 28 a 30 de Junho, como forma de chamar a atenção para a tragédia das demolições e honrar a memória das vítimas das primeiras demolições de 2010 que atingiram acima de 8,000 famílias.

Cecília Gregória Cassapi Augusto, coordenadora de projecto da ACC, foi detida pela polícia, no Lubango, em Setembro do ano passado, quando realizava trabalho de campo. Ao Maka Angola disse que os membros da sua organização têm sido constantemente ameaçados pelos agentes da segurança de estado.

O SINSE pretende assim adoptar a mesma estratégia usada pelo governo do Zimbabwe contra o Arcebispo católico Pius Ncube, um prelado reconhecido pelas suas batalhas cívicas e pela oposição feroz a Mugabe, a quem foi atribuído o Prémio de Direitos Humanos da Human Rights First.

Em 2007, o Arcebispo viu-se envolvido num escândalo sexual que levou à sua demissão. Imagens de vídeo, recolhidas por uma câmara oculta no seu quarto, foram repetidamente transmitidas na televisão do Zimbabwe. As imagens mostravam supostamente o prelado a cometer adultério com uma mulher casada, Rosemary Sibanda, e foi interposta uma acção em tribunal contra Ncube. O Arcebispo nunca negou as alegações feitas contra ele. Estes acontecimentos levaram à demissão de Ncube do seu cargo pastoral na diocese de Bulawayo, silenciando-se assim um voz crítica do regime de Mugabe.

A estratégia do SINSE tem também outros antecedentes. Em 2004, a imprensa estatal angolana fez grande alarido sobre o ingresso de um suposto filho de Isaías Samakuva, líder da UNITA, nas fileiras do MPLA. O caso veio mais tarde a revelar-se apenas um equívoco, uma vez que o suposto filho do presidente do partido do galo negro, era seu sobrinho, filho de uma irmã. A campanha mediática, sobre o caso, visava denegrir a UNITA e o seu líder.

Todavia, o regime sentiu o reverso da medalha, em 2010, quando uma suposta paternidade, foi atribuída ao Presidente José Eduardo dos Santos, tendo causado grande agitação pública. Uma suposta filha de dos Santos, Josefina Matias, concebida alegadamente durante os seus tempos de guerrilheiro no Congo no início dos anos 60, veio a público reclamar o reconhecimento paternal do Presidente. Em entrevista ao Folha 8, Josefina Matias indicou os seus motivos: “Eu não estou atrás do dinheiro, mas do reconhecimento de paternidade, principalmente depois da campanha que o MPLA realizou sobre a moral e a unidade da família.” Na altura, o Presidente, que raramente dá entrevistas, demorou-se em explicações sobre o caso, descrevendo em pormenor a sua passagem celibatária pelo Congo e negando qualquer possibilidade de paternidade de Josefina Matias.

Ver Próxima Maka Ver Maka Anterior

3 Responses to “SINSE Prepara Cilada Contra Padre Wakussanga”

  1. Anónimo says:

    Eu não sei qual é a credibilidade da informação,tal como milhares de jornais andam a ser editados da pior forma possível, sem menosprezar a qualidade do MAKA ANGOLA com certeza. Quero apenas dizer que se se chegar a conclusão que é apenas um manipulação do regime, então, não vos preocupeis porque será apenas mais uma das muitas artimanhas de que o partido usa para fazer diminuir o poder que estas pessoas têm no seio das suas comunidades.

    " Um dia a verdade triunfará"

  2. JC says:

    Começo por dar razão a algumas denominações religiosas, que são extremista quanto a junção da politica com religião, normalmente cheira mal. Mas por outra numa das muitas definições de politica encontramos a curtissima frase " Politica é Vida" pelo que todo ser vivente é politico por excelencia, logo sem a minima intenção de fazer politica, abrimos os olhos e lá estamos pelo que todo aquele que se diz digno de ser tratado como ser humano não pode ficar impávido no que conserne as questões políticas. Quanto a questão do envolvimento dos padres com crentes e não só… a Igreja Católica, na sua hierarquia máxima, tem estado a trabalhar para que estes casos diminuam acabem ou quiçá acabem.

  3. Ventura Dias dos San says:

    Não há bem que sempre dure e nem mal que nunca acabe.



Sondagem

O governo não reconhece juridicamente a Rádio Ecclesia, não permite a sua expansão, mas apoia-a financeiramente. Há censura na emissora católica. O caso revela:

View Results

Loading ... Loading ...
Partilhar Sondagem

A guerra sem fim no leste da República Democrática do Congo



A partir do leste do Congo, a FDLR, responsável pelo genocídio no país vizinho, continua a tentar atacar o Ruanda e a atormentar a população local congolesa. Para se defenderem, as aldeias congolesas formam milícias.

Ler Mais →

Mais cinco dólares anuais por pessoa podiam salvar 187 milhões



Este pequeno investimento, até 2035, seria suficiente para os Estados mais pobres reduzirem a mortalidade. Uma maior aposta também na educação seria a alavanca para o crescimento económico, segundo a OMS.

Ler Mais →

CPLP lança campanha de combate à fome



Cerca de 28 milhões de pessoas sofrem de desnutrição no espaço lusófono. Para dar resposta ao problema, a CPLP lançou uma iniciativa internacional e pretende angariar até ao final de ano seis milhões de euros.

Ler Mais →

© 2014 Maka Angola Todos os direitos reservados.
É expressamente proibida a reprodução de parte ou da totalidade dos conteúdos do Maka Angola, mediante qualquer forma ou meio, sem prévia e formal autorização.
Caso tenha interesse em reproduzir conteúdos do Maka Angola, envie uma mensagem a [email protected] a solicitar a devida autorização.