A (Im)popularidade e o Sucesso de Dos Santos
Por Rafael Marques de Morais - 26 de Junho, 2012

O acto político e cultural do MPLA, realizado no passado sábado, 23 de Junho, no Estádio 11 de Novembro, continua a merecer várias leituras políticas causadas, sobretudo, pela propaganda oficial. Em termos mediáticos, a realização do acto visava demonstrar a popularidade do candidato presidencial do MPLA, José Eduardo dos Santos.

Desde Março de 2011, a imagem do presidente do MPLA e da República tem sido abalada pelos simbólicos e sucessivos protestos, de um punhado de jovens, que têm exigido a sua demissão, após 32 anos no poder. O significado destes protestos assenta na conjuntura internacional, sobretudo da África do Norte, onde três ditadores – Ben Ali, Mubarak e Qaddafi – foram depostos pela força de protestos populares.

Inicialmente, o MPLA reagia com contra-manifestações, como a de 5 de Março de 2011, em que mobilizou mais de 100,000 pessoas, num investimento de muitos milhões de dólares. Esta reacção foi causada pela primeira manifestação contra o chefe de Estado, convocada por anónimos, para o 7 de Março do ano trasacto, e que contou apenas com a presença de 12 jovens, incluindo jornalistas. Na prática, o MPLA reagiu contra um moinho de vento.

Impraticável, a estratégia de mobilização popular contra os críticos foi substituída pela repressão simples e dura.

A 19 de Junho, o primeiro secretário provincial de Luanda do MPLA, Bento Bento, considerou o comício de homenagem a José Eduardo dos Santos, por ser o candidato presidencial do MPLA, como um “verdadeiro teste” à capacidade de mobilização do MPLA.

Os métodos usados na mobilização, envolveram a coacção de funcionários públicos, encerramento de mercados e a obrigação dos vendedores em participar do acto, para além da utilização abusiva dos meios de comunicação social do Estado para efeitos de propaganda partidária. No entanto, importa apenas analisar a moldura humana presente no estádio e o seu tratamento mediático pela comunicação social pública.

A Angop reportou que o estádio, com capacidade para 50,000 pessoas, estava quase lotado, pouco antes do Presidente ter abandonado o recinto, ao meio-dia.

Na notícia seguinte, poucas horas depois, a Angop referiu que “o ponto mais alto do acto político foi marcado pela leitura do excerto da resolução do Comité Central do MPLA, que aprovou, por unanimidade e aclamação, a indicação do Presidente José Eduardo dos Santos como cabeça de lista do partido às próximas eleições gerais.”

Por sua vez, o zeloso Filomeno Manaças, do Jornal de Angola, sobre o acto escreveu “o banho de multidão que se fez presente para ovacionar o cabeça de lista do MPLA, o engenheiro José Eduardo dos Santos, é por si só notícia em qualquer parte do mundo e não pode deixar de ser referido como algo simplesmente impressionante.”Entusiasmado, Filomeno Manaças assegurou que “as bancadas e o relvado do Estádio 11 de Novembro foram ontem milimetricamente preenchidos. Sem espaço para mais gente, o estádio esteve abarrotado por dentro e por fora. À volta do 11 de Novembro, permaneceram tantas ou mais pessoas do que estavam no seu interior.”

Por certo, o MPLA acabará por resolver a contradição nas descrições dos órgãos de comunicação social estatais, ao seu exclusivo serviço. A Angop disse que o estádio estava quase lotado, Manaças viu o abarrotamento milimétrico do mesmo, por dentro e por fora.

O comício não se realizou porque a multidão presente no estádio devia, em princípio, ter-se juntado aos poucos jovens que, no exterior, vibravam com o desfile de alguns dos mais populares cantores da actualidade. O Presidente não teve o banho de multidão que se pretendia e por isso não dirigiu, sequer, umas palavras de agradecimentos aos presentes.

Sobre as multidões, o MPLA não precisa de provar a sua capacidade pela via da mobilização. Com perto de 37 anos de poder, o MPLA tem demonstrado o sua capacidade em manter o controlo do Estado e da maioria do povo. Pela mesma via, com praticamente 33 anos de presidência, José Eduardo dos Santos bem pode dispensar o culto da personalidade. É inegável a sua influência sobre gerações de angolanos e o estado actual de Angola. Este é o país de Dos Santos.

Estranha é a forma como o MPLA transforma a enchente de um estádio em paradigma de afirmação da popularidade do seu candidato, sobretudo quando o faz depender de cantores. Porquê?

Em 2010, o cantor Yannick Ngombo “Afroman”, encheu o estádio dos Coqueiros, para o seu primeiro grande show, sobretudo por via do anúncio de boca-a-boca. Paulo Flores, já consagrado, também obteve lotação esgotada no espectáculo comemorativa dos seus 20 anos de carreira. As pessoas pagaram, e bem, para vê-los.

No ano passado, os rappers de protesto MCK e Kid MC, atraíram, cada, cerca de 10,000 pessoas na Praça da Independência, apenas para sessões de venda e autógrafos dos seus mais recentes trabalhos discográficos. A Polícia Nacional teve de enviar a brigada canina e um helicóptero de reconhecimento para garantir a ordem na actividade do Kid MC, tal era a agitação dos fãs.

Os músicos da nova geração têm ganho um espaço de influência, cada vez maior, no cenário político nacional. Por exemplo, durante uma actividade do MPLA, na província do Kwanza-Norte, o governador Henriques Júnior teve de pedir ao cantor Nagrelha, dos Lambas, que se mantivesse com ele no palco, enquanto proferia o seu discurso. Após Nagrelha ter cantado, a multidão do MPLA começou a abandonar o local, sem interesse em ouvir o governador. Como incentivo, para o ouvirem, teve de firmar a promessa de que, depois do discurso, haveria mais Nagrelha.

Todavia, para quem esteve no estádio e acompanhou o evento do passado dia 23, sem os óculos da propaganda, o evento foi um sucesso. Mas não pelas razões enunciadas quer pelo MPLA quer pela ensurdecedora campanha da TPA e da RNA.

Primeiro, foi um sucesso porque o número de presentes continua a ser impressionante, apesar do visível declínio na capacidade de mobilização do MPLA, comparado, por exemplo, com a marcha de 5 de Março de 2011. Desde então, tem havido uma maior tomada de consciência sobre a realidade do país. A sociedade em geral entende, hoje, que o poder do Presidente José Eduardo dos Santos é actualmente definido pelo saque do património do Estado, pela ganância desmedida dos dirigentes familiares e sócios seus, que continuam a amassar fortunas, de forma ilícita, em detrimento do bem-estar do do povo angolano. Além do roubo institucionalizado, o regime também tem sido marcado, recentemente, pela repressão violenta e pela perseguição de toda e qualquer dissidência, incluíndo os soldados desmobilizados que reclamam o pagamento das suas pensões em atraso. Dados estes acontecimentos, o tamanho da multidão que se juntou no estádio 11 de Novembro foi, ainda assim, assinalável.

Nos comícios realizados pelo Presidente, a 9 de Março na Lunda-Norte e a 4 de Abril no Moxico, os militantes vaiaram-no pelo discurso que utilizou. Nas Lundas, ficou célebre, pela negativa, o seu discurso segundo o qual as receitas dos diamantes nem sequer servem para reparar troços de estradas. No Moxico, falou da felicidade dos locais por terem escolas, água e electricidade, sem ter checado a realidade e a população sentiu-se ofendida.

Segundo, foi um sucesso porque a reacção de falta de entusiasmo dos próprios militantes, revelou uma maior tomada de consciência sobre a realidade do país. Essa realidade estava bem patente nas tendas de luxo montadas para acomodar os membros da elite do MPLA, enquanto o povo devia contentar-se em lutar para conseguir nacos de carne dos espetos de boi que assavam inteiros, por detrás das tendas, para alimentar o “povo heróico e generoso.” Em algumas viaturas, as pessoas andavam às cotoveladas para conseguirem pedaços de carne fresca.

Por sua vez, um Presidente popular não precisa de instrumentalizar artistas para garantir audiência. Vale-se pelo seu discurso. A questão é esta. Qual é o discurso do Presidente para o povo? No Estádio 11 de Novembro, o discurso do Presidente foi o silêncio. Como pode ser interpretado este silêncio? Eis a segunda questão.

É de reconhecer, em tudo isso, a extraordinária capacidade do Presidente em antecipar-se aos eventos. A eliminação das eleições presidenciais, a favor da introdução do sistema eleitoral anti-democrático do cabeça de lista, nas legislativas, permite a Dos Santos evitar o julgamento popular directo nas urnas. Vai a reboque do MPLA. Resta saber se o atrelado é seguro e quais os riscos que a sua pessoalização do partido acarretam para o futuro do MPLA.

Ver Próxima Maka Ver Maka Anterior

7 Responses to “A (Im)popularidade e o Sucesso de Dos Santos”

  1. Toni dos Santos says:

    O MPLA não vé que só esta a se aldrabar? Então vejamos: 1º Temos o povo pobre, faminto, alcoolizado e alegre. 2º Realizam uns espectáculo "GRÁTIS" com os melhores nomes da música angolana. 3º Vendem a "CUCA" a um preço quase que de oferta. 4º Oferecem farnel (Pão com sei lá o quê) a cada espectador. 5º Diponibilizam tranporte "GRÁTIS" para osespectadores para irem até ao estádio!!! COM TODOS ESTES ELEMENTOS NÃO LOTARAM A 100% O ESTADIO, AINDA ASSIM SAEM AO PÚBLICO PARA DIZER QUE PASSARAM NO TEsTE DE FERRO COM A MASSA MILITANTE. RSRSRSR ATÉ DÃO-ME GRAÇA ESSES GAJOS DO MPLA.

  2. Van Helsing says:

    Kambas fiquem atentos começa a acontecer. O nosso PR simplesmente mostrou ser concorrente desleal, enquanto nos outros paises o canditato vence com carisma, ao convencer e persuadir o eleitor com ideias, aqui não. O candidato vence com desonra ao comprar e reprimir o eleitor da forma mais descarada possível e vulgarmente reles. Na constituição, menores de 18 anos não podem votar, mas houve centenas de crianças nesta manifestação.

  3. SARKAZTIKU says:

    Isso está a ficar cada vez mais fixe, aí está a queda dos ditos poderosos, dos milhões, blá blá blá.

    Sempre sonhei com a queda do "M" muito antes quanto eles espera(va)m.

    Liberdade, liberdade, liberdade…

  4. kiamy de todos says:

    Nasci em Luanda e sempre vivi em luanda, nunca na vida fui a outro país, nunca me importei com política até à saida da nova constituição. Me desculpem os membros do MPLA, mas esta constituição é anti democrática. O estádio enche porque as pessoas são obrigadas a ir, com medo de perderem os cargos regalias, bónus e mais. Só um cego ou beneficiário do poder político actual não quer zedu fora do poder. e isso é para o bem da democracia

  5. Simples says:

    1% da população de Luanda aderiu ao evento do Estádio 11 de Novembro. As contas são muito simples: se Luanda tem 5 milhões de habitantes e lá estavam cerca de 50 mil, então, em cada 100, somente uma pessoa foi para lá. Agora pergunto: a actividade foi um sucesso?

    • Atu Zemba says:

      A actividade foi sim um sucesso. Os delinquentes e drogados do MK, Rangel, Sambizanga, etc, lá estiveram. Conversei com alguns, e garantiram-me! – "kota, o M é fixe. Vieram nos apanhar, nas carrinhas já tinham barris de fino e tudo. Boi no espeto e tudo!…mas viemos a pê porque já não havia transporte"

  6. wilson nunes says:

    Para manifestações, o MPLA tem sempre soluções arbitrárias, usando o facto de detentor do poder executivo "legalmente" instituído pelo povo:

    Quando são a favor obriga a presença; Quando são contra reprime-a.



Sondagem

O governo não reconhece juridicamente a Rádio Ecclesia, não permite a sua expansão, mas apoia-a financeiramente. Há censura na emissora católica. O caso revela:

View Results

Loading ... Loading ...
Partilhar Sondagem

A guerra sem fim no leste da República Democrática do Congo



A partir do leste do Congo, a FDLR, responsável pelo genocídio no país vizinho, continua a tentar atacar o Ruanda e a atormentar a população local congolesa. Para se defenderem, as aldeias congolesas formam milícias.

Ler Mais →

Mais cinco dólares anuais por pessoa podiam salvar 187 milhões



Este pequeno investimento, até 2035, seria suficiente para os Estados mais pobres reduzirem a mortalidade. Uma maior aposta também na educação seria a alavanca para o crescimento económico, segundo a OMS.

Ler Mais →

CPLP lança campanha de combate à fome



Cerca de 28 milhões de pessoas sofrem de desnutrição no espaço lusófono. Para dar resposta ao problema, a CPLP lançou uma iniciativa internacional e pretende angariar até ao final de ano seis milhões de euros.

Ler Mais →

© 2014 Maka Angola Todos os direitos reservados.
É expressamente proibida a reprodução de parte ou da totalidade dos conteúdos do Maka Angola, mediante qualquer forma ou meio, sem prévia e formal autorização.
Caso tenha interesse em reproduzir conteúdos do Maka Angola, envie uma mensagem a [email protected] a solicitar a devida autorização.