MPLA Quer Controlar Comunicação com E.U.A.
Por Maka Angola - 07 de Março, 2012

Por Carlos Duarte:

Por ocasião da passagem do secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon,  por Angola na última semana, efectivos dos Serviços de Informação (SINFO) tudo fizeram, com sucesso, para impor e controlar a agenda do sul-coreano, e  impediram que elementos da sociedade civil pudessem fazer ouvir as suas queixas sobre o governo de José Eduardo dos Santos. Mas com a sub-secretária de Estado norte-americana para os Assuntos Políticos, Wendy Sherman, que se encontra de visita a Angola, tudo é diferente. A secreta angolana pouco ou nada pode fazer.

Depois de ouvir o discurso oficial no qual Angola é apresentada como um paraíso e os angolanos como o povo mais feliz do mundo, por causa do alardeado crescimento económico do país, a governante norte-americana entendeu que seria importante ouvir também figuras independentes para saber, de sua justiça, o que efectivamente está a acontecer em Angola.

Sobre o quotidiano político,  o governo norte-americano sabe bem o que se passa, não só por via dos relatórios enviados periodicamente pela sua embaixada, a partir de Luanda, mas também pelos relatos de políticos e activistas cívicos que amiúde são recebidos no Departamento de Estado, em Washington. No entanto, no capítulo económico persistem algumas dúvidas.

Por isso, convidaram três elementos ligados à área empresarial para o encontro marcado com a sociedade civil. Entre eles inclui-se Pedro Godinho, um engenheiro e empresário ligado ao mundo dos petróleos, hotelaria e turismo, e  também presidente da Câmara de Comércio Angola-EUA. Pedro Godinho é também o principal sócio e testa-de-ferro da irmã do Presidente José Eduardo dos Santos, “mana” Marta, no sector dos petróleos, através da Prodoil. Assuntos como petróleo, energia e investimentos estiveram na ordem de trabalhos.

Temendo que o encontro com a sociedade civil, a 7 de Março de 2012,  na Embaixada dos E.U.A. em Angola, fosse prejudicial à imagem de seriedade que o governo tem feito passar no exterior do país, figuras de proa do MPLA apressaram-se a telefonar para os três visados indagando-os sobre as razões por que não avisaram antecipadamente o partido para acertar estratégias em relação ao que iriam dizer na reunião.

O facto de qualquer dos três empresários convidados não terem informado oficialmente o MPLA caiu mal na sede do partido no poder e, por extensão, junto do aparato securitário do país, que tem sempre uma palavra importante a dizer na distribuição de negócios e benefícios, por parte do Estado, à classe empresarial. Todavia, não se prevê quaisquer tipo de  sanções aos faltosos, para evitar desentendimentos desnecessários com os americanos.

Ver Próxima Maka Ver Maka Anterior

4 Responses to “MPLA Quer Controlar Comunicação com E.U.A.”

  1. Ponto para esclarece says:

    Muito obrigado pelo artigo informativo. Um ponto que eu gostaria de esclarecer é que o Eng. Pedro Godinho não é o presidente da Câmara de Comércio Angola-EUA. Ele é o Director Executivo da organização, em Luanda. A Presidente da Câmara é Jeannine B. Scott. Obrigado.

  2. Filas says:

    eu acho que o momento de mudanca ja comecou, mas os teimosos que insitem no erro sao os que ficam para traz. como se diz, e melhor acompanhar o desenvolvimento para que nao sejes ultrapassado pelo tempo…

  3. eugenio manuel says:

    olhem também o povo. somos o motivo da vossa victória.

  4. Vila says:

    Muito bom artigo.



Sondagem

O governo não reconhece juridicamente a Rádio Ecclesia, não permite a sua expansão, mas apoia-a financeiramente. Há censura na emissora católica. O caso revela:

View Results

Loading ... Loading ...
Partilhar Sondagem

A guerra sem fim no leste da República Democrática do Congo



A partir do leste do Congo, a FDLR, responsável pelo genocídio no país vizinho, continua a tentar atacar o Ruanda e a atormentar a população local congolesa. Para se defenderem, as aldeias congolesas formam milícias.

Ler Mais →

Mais cinco dólares anuais por pessoa podiam salvar 187 milhões



Este pequeno investimento, até 2035, seria suficiente para os Estados mais pobres reduzirem a mortalidade. Uma maior aposta também na educação seria a alavanca para o crescimento económico, segundo a OMS.

Ler Mais →

CPLP lança campanha de combate à fome



Cerca de 28 milhões de pessoas sofrem de desnutrição no espaço lusófono. Para dar resposta ao problema, a CPLP lançou uma iniciativa internacional e pretende angariar até ao final de ano seis milhões de euros.

Ler Mais →

© 2014 Maka Angola Todos os direitos reservados.
É expressamente proibida a reprodução de parte ou da totalidade dos conteúdos do Maka Angola, mediante qualquer forma ou meio, sem prévia e formal autorização.
Caso tenha interesse em reproduzir conteúdos do Maka Angola, envie uma mensagem a [email protected] a solicitar a devida autorização.