Ex-jornalistas da UNITA Ostracizadas na RNA
Por Maka Angola - 02 de Março, 2012

Por Carlos Duarte:

Eduardo Magalhães, o administrador para a área de Informação da Rádio Nacional de Angola, está a criar sérios problemas ao MPLA que, há sensivelmente três anos, o condecorou com uma medalha de honra pelos seus préstimos às causas partidárias.

No seu afã de mostrar serviço ao MPLA, Eduardo Magalhães decidiu, unilateralmente, afastar as locutoras Guida Paula e Bela Malaquias da apresentação dos principais jornais noticiosos das 13:00 e 20:00 horas. Essas jornalistas faziam parte do selecto grupo de apresentadores há já muitos anos e nem sequer foram oficialmente notificadas da decisão, segundo apurou o Maka Angola.

O administrador Eduardo Magalhães argumentou junto dos seus colegas que a sua decisão era exclusivamente razões de ordem profissional. Mas, fontes familiarizadas com o assunto asseguraram ao Maka Angola que o motivo de fundo tem a ver com o facto de ambas serem “provenientes” da UNITA. O termo “proveniente” é usado amiúde nas instituições do Estado para distinguir os quadros oriundos da UNITA e incorporados, na função pública ou nas Forças Armadas Angolana (FAA).

No caso de Bela Malaquias, a sua situação na RNA tornou-se complicada com o recente protagonismo do seu marido, o general Eugénio Manuvakola, nas fileiras da UNITA, após o congresso de Dezembro último, realizado em Viana, arredores de Luanda. O renascimento político de Eugénio Manuvakola, o homem que, em 1998, criou a UNITA Renovada, como facção ao movimento então liderado por Jonas Savimbi, tem afectado o seu lar. A jornalista e apresentadora Bela Malaquias exerce também as funções de administradora da RNA, como membro do seu Conselho de Administração. Viu-lhe serem retirados importantes pelouros como a Realização (área de coordenação dos programas não noticiosos) e outras competências, ficando somente com as Línguas Internacionais e o Canal Internacional, que emite apenas quatro horas diárias.

Incomodadas pela exclusão, que consideraram arbitrária e eivada de razões politicas, ambas jornalistas manifestaram o seu desabafo nos corredores da RNA, para quem as quisesse ouvir. Atribuíam as arbitraridades de Eduardo Magalhães a razões de ordem política, por serem provenientes da UNITA. As radialistas chegaram a abordar o Presidente do Conselho de Administração da RNA, Pedro Cabral, de quem Bela Malaquias foi colega de carteira no curso de Direito da Universidade Agostinho Neto. Homem de trato fino e “catador” de consensos, Pedro Cabral ordenou a reposição das vozes de Bela Malaquias e Guida Paulo nos principais serviços noticiosos do Canal A, pela competência que lhes reconhece. Durante os anos de guerra, as duas jornalistas serviram, com denodo, a rádio Voz da Resistência do Galo Negro (VORGAN).

Por sua vez, Eduardo Magalhães foi um dos mais destacados servidores do General Fernando Garcia Miala, ao tempo em que este era o todo poderoso patrão dos serviços de inteligência.

Ver Próxima Maka Ver Maka Anterior

12 Responses to “Ex-jornalistas da UNITA Ostracizadas na RNA”

  1. joao Antonio tony says:

    Falta pouco para sermos considerados como estrangeiros só por não sermos ou não concordarmos com certas coisas vindas do Mpla!!!

    O facto se sermos deste ou daquele partido não nos tira ou aumenta as nossas qualidades profissionais!! Alias penso eu estarmos na altura de ser o resultado do nosso trabalho falar mais alto, em vez de sermos do partido A ou B. Lembrar que somos todos angolanos e queremos melhor para essa Angola.

  2. Republica das Bananas!…

  3. cuiva says:

    assim não ho Magas então ja não existe reconciliação neste país? todos somos irmão de uma só nação…essas ideias politicas ja não tem grandes relevâncias Bela e a Guida são as melhores jornalistas que essa RNA tem…duvidas?

  4. sicato says:

    o MPLA não deixa esse trabalho sujo?

  5. Expansão da Rádio Ecclesia

    Nada, absolutamente NADA!… em Angola acontece por mera coincidência! JES nomea Carolina Cerqueira como ministra da Comunicação Social apenas para entreter os ânimos de expansão da Rádio Ecclesia em todo território nacional!Carolina, sobrinha de Dom Alexandre Cardeal do Nascimento,parece não ter dado conta do recado inicialmente.Aliás a sua nomeação foi um dos maiores fiascos que pode estremecer fortemente as relações entre o Governo e o Vaticano…Há aqui uma má-fé e nitida tendência de se burlar da promessa que foi feita na última visita de Sua Santidade o Papa Bento XVI a Luanda…O MPLA usurpou os meios de comunicação social da Igreja Católica em todo território angolano!… Enquanto JES e seus comparsas mais directos não se dignificarem a honra(r) (d)aquela promessa, o Vaticano vai continuar a olhar o “executivo angolano”com indiferença [no sentido de separação da cama e coração].

  6. Violência psicológica camuflada

    Virgílio Fontes Pereira, João Melo, João Pinto, etc. – eis a miséria intelectual da Ala radical do MPLA!… os tais indivíduos de vozes hipnóticas que cantam os rouxinóis e desabrocham a aparição divina de JES no nosso sistema político, econômico e social!… Recai sobre eles a culpabilidade de desencadearem uma violência psicológica camuflada contra todo e qualquer indivíduo que se opõe aos interesses e "culto à personalidade" de José Eduardo dos Santos, etc. E o mais grave em tudo isso é que essa violência psicológica se reveste de palavras bombalisticas capazes de atiçarem os apetites dos saudosistas ao regresso à guerra civil em Angola…ou seja terminarem com os resíduos de Jonas Savimbi – de uma vez por todas, como se diz na gíria dos comparsas mais directos de JES.Fazem essa violência psicológica submersível através dos meios de comunicação social! A questão ética e moral com que nos confrontamos é se devemos ir às urnas votar, quando JES e seus comparsas têm todo monopólio dos meios de comunicação de massa e do nosso Erário Público. Quando o nosso auto proclamado presidente disponibiliza aos seus filhos US$50 milhões de dólares do nosso orçamento anual para colorir a sua imagem no exterior,isso e' o maior ultraje, vexame e afronta `a nossa moralidade cívica!… Quanto mais forem expostos nos media a nível nacional e internacional, JES e seus comparsas terão menos chances de se perpectuarem no poder!…

  7. Sakubanza says:

    Que muita pena nos angolanos ja mais seremos unidos porque o tribalismo é o motor do dia a dia.
    Que preconceito esse? UNITA não é angolana? FNLA não é angolano?

  8. Carlos Valódi says:

    “Grande jornalismo, Rafael!!!” isso é uma vergonha o que vocês fazem nesse site. Não vês que essa tua “notícia” é claramente uma encomenda. Se essas duas senhoras sempre leram noticiários na Rádio Nacional de Angola, já o fazem desde o tempo em que fugiram das masmorras de Savimbi e, nunca se colocou a questão de terem vindo da UNITA, porque aconteceria apenas agora?

    Uma dessas senhoras foi nomeada administradora executiva da RNA,( e aqui diga-se de passagem mesmo sem antes ter dirigido na sua vida, uma única cadeira com duas pessoas) por José Eduardo dos Santos, presidente da República e do MPLA. Porque é que neste caso que é mais claro e onde se poderia colocar a questão do proveniência politica não foi feito e, para ler um simples noticiário colocar-se-ia a questão politica? Rafael, tenha juízo! Nós somos leitores do teu blog ou site,l gostamos da tua coragem mas, não somos tão ingénuos ao ponto sermos manipulados ou enfiarem-nos na boca qualquer informação que vocês julgar do vosso interesse.

    OIha Rafael, para te ser sincero essas duas senhoras ate nem são boas locutores. A Nguida Paulo não se despiu daquela leitura dela da Jamba, lê aos gritos e se engana em todas as frases. A Outra parece uma robot só lê, pode lhe aparecer uma asneira no texto é só “ vusar “. Meu caro esse tipo de locutores hoje, já não se usam mais nas rádios. As rádios, hoje, usam apresentadores de notícias que são diferentes de leitores de notícias. Por isso meu kamba não defendas causas perdidas. Não há nenhuma perseguição política, não há ostracismo, eu como ouvinte da rádio , sinceramente, não gostaria que essas duas senhoras e outros locutores estão na RNA voltassem a apresentar os noticiários. Deixem os miúdos lerem, ou apresentarem porque tem outra dinâmica, cada coisa a seu tempo, o tempo dessas senhora já passou. Dar a Cesar , o que é de Cesar, é bíblico Rafael!

    • Dada says:

      Carlos Valòdia, estas muito enganado. Pelo que me consta nos noticiarios da Radio, le-se, nao se faz teatro nem improvisos.

      • den says:

        O em vez de Rafael ter juizo,o carlos é qi tem de ter juizo.
        So nao vê qem nao qer…so é manipulado qem nao tem cerebro e nao sei se é o seu caso?

    • idiota da raz&atilde says:

      carlos valodia é mesmo estupido…CADA COISA A SEU

      TEMPO?O TEMPO DESSAS SENHORAS JA PASSOU? e aonde é

      que fica o tempo do teu presidente?DAR A CESAR O Q

      É DE CESAR É BIBLICO? e dar aos angolanos o que é

      dos angolanos o que é?

  9. Al Felix says:

    Interessante como os "manda-chuvas" dos órgãos noticioso públicos exacerbam-se em desvios de conduta, beirando à barbárie que só se viam em ditaduras antigas. Como conseguem transportar tais sintomas para a era globalizada, cuja Angola parte dela é? Vê-se que figuras como Eduardo Magalhães, José Ribeiro, etc., etc. estão forçosamente fora de compasso!



Sondagem

O governo não reconhece juridicamente a Rádio Ecclesia, não permite a sua expansão, mas apoia-a financeiramente. Há censura na emissora católica. O caso revela:

View Results

Loading ... Loading ...
Partilhar Sondagem

A guerra sem fim no leste da República Democrática do Congo



A partir do leste do Congo, a FDLR, responsável pelo genocídio no país vizinho, continua a tentar atacar o Ruanda e a atormentar a população local congolesa. Para se defenderem, as aldeias congolesas formam milícias.

Ler Mais →

Mais cinco dólares anuais por pessoa podiam salvar 187 milhões



Este pequeno investimento, até 2035, seria suficiente para os Estados mais pobres reduzirem a mortalidade. Uma maior aposta também na educação seria a alavanca para o crescimento económico, segundo a OMS.

Ler Mais →

CPLP lança campanha de combate à fome



Cerca de 28 milhões de pessoas sofrem de desnutrição no espaço lusófono. Para dar resposta ao problema, a CPLP lançou uma iniciativa internacional e pretende angariar até ao final de ano seis milhões de euros.

Ler Mais →

© 2014 Maka Angola Todos os direitos reservados.
É expressamente proibida a reprodução de parte ou da totalidade dos conteúdos do Maka Angola, mediante qualquer forma ou meio, sem prévia e formal autorização.
Caso tenha interesse em reproduzir conteúdos do Maka Angola, envie uma mensagem a [email protected] a solicitar a devida autorização.