Kero: o Supermercado do Manuel Vicente
Por Rafael Marques de Morais - 25 de Janeiro, 2012

O Hipermercado Kero, considerado o maior de Angola, bem pode ser considerado como o modelo de investimento privado para a melhoria da oferta e da qualidade de bens de consumo aos cidadãos.

A funcionar há cerca de um ano no Bairro Nova Vida, em Luanda, o Hipermercado Kero também é um modelo na eliminação das fronteiras entre o público e o privado, por parte dos principais dirigentes angolanos que são, ao mesmo tempo, os principais empresários privados nacionais.

Em entrevista ao Semanário O País, o director-geral do Kero, o brasileiro João Santos, revelou o montante investido por um grupo de empresários angolanos em consórcio com o Banco Privado Atlântico: “Os US$35 milhões assentam num misto de capitais próprios e nos recursos libertos em resultado da parceria com o Atlântico”. O hipermercado tem uma área de 7,500 metros quadrados de espaço de superfície e uma área total de 11,000 metros quadrados e já abriu uma segunda loja no Condomínio Cajú, em Talatona.

Recentemente, a 10 de Dezembro, a ministra do Comércio, Idalina Valente, inaugurou o terceiro empreendimento do Kero, na nova Centralidade do Kilamba. O referido projecto habitacional é o maior do país e esteve a cargo do Gabinete de Reconstrução Nacional, sob comando do General Manuel Hélder Vieira Dias Júnior “Kopelipa”. Actualmente o projecto é gerido pela Sonangol, dirigida por Manuel Vicente.

Apesar de toda a publicidade que a abertura deste grande empreendimento gerou ao nível da comunicação social e dos outdoors espalhados por várias artérias de cidade de Luanda, há apenas uma breve referência à empresa Zahara como proprietária do projecto.

Uma breve investigação realizada por Maka Angola revela que a Zahara é uma das muitas empresas pertencentes ao império do Grupo Aquattro International S.A. que controla 99,96% do seu capital.

Este grupo, que nos últimos três anos se tornou no maior polvo da economia política nacional, é propriedade exclusiva de três indivíduos: o Presidente do Conselho de Administração da Sonangol, Manuel Vicente; o ministro de Estado e Chefe da Casa Militar do Presidente da República, General Manuel Hélder Vieira Dias “Kopelipa”; e seu principal consultor, o General Leopoldino Fragoso do Nascimento.

Com quotas iguais, estes três sócios do Grupo Aquattro International S.A. detêm cada um 33,3% do capital social. Ao Coronel João Manuel Inglês, alto funcionário da Casa Militar, e o seu irmão Domingos Manuel Inglês, assistente privado dos negócios do General Kopelipa, cabem a representação simbólica de 0,5% das quotas do grupo.

A empresa foi criada, em representação dos três sócios, por Ismênio Coelho Macedo, um cidadão português que é, por sua vez, administrador do Atlântico, o mesmo banco que financiou o Kero.

Este banco incorre na violação da Lei das Instituições Financeiras, especificamente sobre conflito de interesses, pois esta proíbe (Art. 66º, 1, 3, 7) a concessão de crédito a membros da administração ou a sociedades por eles dominados e “às pessoas que nelas, directa ou indirectamente, detenham participações qualificadas.”

A Sonangol E.P. detém participação qualificada no Atlântico, de 7,5 porcento, e é representada no banco por um administrador não-executivo indicado pela Sonangol, Baptista Sumbe, que é subordinado de Manuel Vicente. Enquanto servidor público, Manuel Vicente tem obrigações, a tempo integral, de representar os interesses do Estado, através da Sonangol. Por isso, não deve engajar-se em negócios particulares de monta com o banco, para enriquecimento pessoal, porque este funciona, em parte, com capitais da Sonangol.

Por outro lado, o estabelecimento do Kero, no Condomínio Cajú, expõe Manuel Vicente a mais um acto de improbidade. O condomínio é um projecto multimilionário financiado e tutelado pela Sonangol, para acomodação dos seus trabalhadores, da família presidencial e nomenklatura do MPLA.

A Lei da Probidade Pública estabelece, como crime de enriquecimento ilícito (Art. 25º, 1º, k, j), a integração ilícita no património pessoal de património de entidade pública. A obtenção do espaço no Condomínio Cajú, pago com fundos do Estado, para a instalação do supermercado de Manuel Vicente configura, pois, acto de açambarcamento de património público a seu favor. As chamadas ao Gabinete de Comunicação e Imagem da Sonangol, para esclarecimentos sobre o assunto não mereceram resposta.

Por sua vez, o General Kopelipa também deve explicações aos órgãos de justiça sobre como o Kero adquiriu o espaço onde construiu o maior hipermercado de Angola. Este espaço faz parte do terreno que esteve sob tutela da Casa Militar, para a construção inicial de um bairro destinado a militares. O General também incorre no mesmo crime de integração ilícita de património público no rol dos seus negócios privados.

Tanto o General Kopelipa como Manuel Vicente respondem também pelo trespasse ilegal de propriedade pública, na Centralidade do Kilamba, na qual são, sucessivamente, os principais responsáveis pela tomada de decisões sobre o o referido projecto habitacional. O trio composto por Manuel Vicente, Generais Kopelipa e Dino é também proprietário da empresa privada Delta Imobiliária, com quem o estado contratou para a venda das habitações sociais a preços milionários.

Todavia, por ora, Manuel Vicente e os generais gozam de impunidade perante a lei, pois beneficiam do apadrinhamento do Presidente da República, José Eduardo dos Santos, que estimula e protege, por acção e omissão, os actos de corrupção dos seus servidores preferidos.

Para mais informações sobre o Hipermercado Kero consulte: http://www.opais.net/pt/opais/?id=1551&det=18164&mid=229

Ver Próxima Maka Ver Maka Anterior

15 Responses to “Kero: o Supermercado do Manuel Vicente”

  1. LUIS says:

    bons comentários há que Apoiar os maiores ladrões de Angola ao do Mundo a sorte dos pobres é que eles também morrem eles são donos de tudo e comem tudo o pobre que fique como está não é Eduardo dos Santos!!!!!!!!
    & Filhos!!!!!!!!!!! e Camaradas !!!!!!!!!!!!!! Continuem!!!!!!!!!!!!!! a roubar !!!!!!!!!!!!!!!!! o que é do povo !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  2. P.Dias says:

    Boa noite, após ler este artigo e as opiniões de todos os leitores, permitam-me que expresse a minha também como descendente do colono. Acho que realmente Angola está no caminho certo para o desenvolvimento, estão a criar emprego, infra-estruturas etc, é certo que continua a faltar muita coisa para o povo que é realmente visível para quem vem de fora como eu, é-me muito dificil ver a dificuldade de algumas (muitas) pessoas por esse país fora. Penso também que há um caminho muito longo a percorrer até que a vida de maior parte do Angolanos melhore. Entretanto para mim é um prazer poder formar pessoas na minha área e saber que estou a contribuir para que a mão de obra seja mais especializada e para o desenvolvimento do país. Tenho encontrado por aqui pessoas maravilhosas com imensa vontade de aprender. Nem todas as pessoas estão por aqui para explorar e para tirar o emprego, mas é certo que há muitas pessoas que só cá estão pelo dinheiro e esses para mim não fazem cá falta. Gostava de poder continuar a ajudar o país sem que me criticassem, sem que desconfiassem entre outras coisas só pelo facto de ser descendente do colono, mas compreendo as razões e estou de cabeça erguida.
    Abraço a todos e levemos todos juntos esta Republica para o topo que bem merece.

    P.Dias

  3. tina says:

    Afinal querem o quê, se não há emprego é por causa do colono, se há emprego é o colono…….esqueçam isso bolas, Produzam, mostrem que tem valor, assim é que é lutar.

    Todas as respostas que leio, aqui ou ali, falam dos colonos, dos branco. Penso que está na hora de dizer:
    - EU SOU ANGOLANO, EU TENHO VALOR, EU SEI, EU PRODUZO, EU SOU RESPONSÁVEL, EU NÃO FALTO AO TRABALHO, EU NÃO ROUBO ETC ETC.

  4. kanzuna says:

    E melhor me calar porque não kero morrer.

  5. É lamentavel quando uns pensam no crescimento e desenvolvimento do nosso país e outros de má fé pretendem desencorajar. Aconselho a parar pelo menos um minuto para refletir no que tem feito de positivo isto se for o caso, ou senão conviduo-o a mudar de consciência porque a olho nu nota-se a diferença do passado em relação ao presente. Deixe de procurar intrigas porque angolanos somos todos e melhor será rentabilizar o seu rico tempo em coisas importantes para melhor servir a Nação.

  6. Maria says:

    É lamentavel quando uns pensam no crescimento e desenvolvimento do nosso país e outros de má fé pretendem desencorajar. Aconselho a parar pelo menos um minuto para refletir no que tem feito de positivo isto se for o caso, ou senão conviduo-o a mudar de consciência porque a olho nu nota-se a diferença do passado em relação ao presente. Deixe de procurar intrigas porque angolanos somos todos e melhor será rentabilizar o seu rico tempo em coisas importantes para melhor servir a Nação.

  7. mukua guinza says:

    porque tantos comentarios em volta disto ? todos eles vao morrer e nao levam nada pra cova , hugo xaves de venezuela deixou mas 3 biloes sadan usaine deixou bilioes e bilioes d dólares mas d novecentos carros de altas cilidradas ,torneiras de ouro ,mobuto sessekou outro bilionario morreu que nem um cao .por isso deixem os em paz porque Deus faz justiça

  8. kiambote says:

    pelo menos xtao a investir no país gerar empregos e diminuir cada vez mais as necessidades das populacoes quantos aos seus crimes entrego tudo na mao de DEUS o todo poderoso.

    • Angola do Cazenga says:

      So Deus mesmo

    • da maianga says:

      kiambo eu pessoalmente trabalhei la no kero os expatriados têm um salario minimo de 3 mil usd.
      e o cidadao nacional tem um salario minimo de 28 mil kuanzas axas que assim ta bom trabalhar todo mes para 28 mil

  9. Fialho Cesar says:

    Meus caros compatriotas. Depois de 300 anos de escravatura e quase outros tantos de coloonialismo q como sabem destruiu e cujas marcas compromete ainda a civilização africana, agora q finalmente q poderiamos ser a primeira geraçao d homens e mulheres angolanos verdadeiramente livres, não conseguimos arranjar melhores dirigentes q respondam aos grandes desafios q se colocam ao país, do q estes q temos? Os quais estão so interessados afinal nos seus interesses de enrequecimento pessooal, desprovidos dos valores morais e prosseguir na linha dos precedentes colonos?

  10. justiça says:

    tens toda razão jacinto, faço da tua pertinente opnião minha tambem. mas, palvras p´ra que quando ja o dizes tudo abrços irmão angolano.

    • pedro says:

      amigos aproveitem ,quem esta ai para ensinar e dessenvolver mais o vosso lindo pais ,deixem-se de merdas e remem todos para o mesmo lado só assim se vai longe,abraço para todos angolanos.

  11. Verdadeiro says:

    Depois de saber quem são os verdadeiros donos do kero só gostaria de saber porque que os Angolanos que lá trabalham sáo humilhados e maltratados pelos patriados.

    Atenção donos do Kero será que em Angola não a pessoas capacitadas para chefiar um talho ou uma outra area tem que vir de portugal.

    Com relacção a informação que João santos é brasileiro é falsa ele é Portugues.

  12. JACINTO says:

    O lado genial do Rafael Marques e conhecer bem as leis e explicar os crimes tintim-por-tintim de acordo com a lei.

    Sobre o Kero, diria que a oferta de servicos comerciais ao pais e bem-vinda, mas os donos sao mesmo donos de tudo na banda.



Sondagem

O governo não reconhece juridicamente a Rádio Ecclesia, não permite a sua expansão, mas apoia-a financeiramente. Há censura na emissora católica. O caso revela:

View Results

Loading ... Loading ...
Partilhar Sondagem

A guerra sem fim no leste da República Democrática do Congo



A partir do leste do Congo, a FDLR, responsável pelo genocídio no país vizinho, continua a tentar atacar o Ruanda e a atormentar a população local congolesa. Para se defenderem, as aldeias congolesas formam milícias.

Ler Mais →

Mais cinco dólares anuais por pessoa podiam salvar 187 milhões



Este pequeno investimento, até 2035, seria suficiente para os Estados mais pobres reduzirem a mortalidade. Uma maior aposta também na educação seria a alavanca para o crescimento económico, segundo a OMS.

Ler Mais →

CPLP lança campanha de combate à fome



Cerca de 28 milhões de pessoas sofrem de desnutrição no espaço lusófono. Para dar resposta ao problema, a CPLP lançou uma iniciativa internacional e pretende angariar até ao final de ano seis milhões de euros.

Ler Mais →

© 2014 Maka Angola Todos os direitos reservados.
É expressamente proibida a reprodução de parte ou da totalidade dos conteúdos do Maka Angola, mediante qualquer forma ou meio, sem prévia e formal autorização.
Caso tenha interesse em reproduzir conteúdos do Maka Angola, envie uma mensagem a [email protected] a solicitar a devida autorização.